Últimas
Home / Destaques / Brasil registra crescimento na produção de vinhos, em 2017

Brasil registra crescimento na produção de vinhos, em 2017

Brasil produziu 340 milhões de litros de vinho em 2017, segundo Organização Internacional da Vinha e do Vinho (Crédito: Divulgação)

Nunca se produziu tanto vinho no Brasil. Segundo a Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV), foram 340 milhões de litros só em 2017. É um crescimento de 169% em relação ao ano anterior, que aparece justamente no ano em que a tradicional produção europeia declinou, animando ainda mais os produtores nacionais.

O Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) explica, no entanto, que grande parte desse indicador reflete a recuperação da produção gaúcha, que quebrou em 2016. Mas o número também impacta os negócios do Vale do São Francisco. Só a vinícola pernambucana Rio Sol fabricou 900 mil garrafas a mais que o normal em 2017. E a expectativa é elevar ainda mais esta produção neste ano.

Segundo a OIV, a produção mundial de vinho caiu 8,6%, ficando em 250 bilhões de litros em 2017, o nível mais baixo desde 1957. O recuo reflete a queda de 14,6% dos vinhedos europeus, afetados por condições climáticas rigorosas. Porém, passou longe da América do Sul. Afinal, o clima adverso já havia passado por aqui ano anterior, com o El Niño. “Como estamos em hemisférios diferentes, temos períodos diferentes de colheita. Por isso, a Europa teve quebra de safra em 2017. Já nós sofremos em 2016”, explicou o diretor técnico do Ibravin, Leocir Botegga, lembrando que, naquele ano, a produção do Rio Grande do Sul, que representa 90% do mercado nacional de vinhos, quebrou devido à incidência de geadas e granizos. “Já em 2017, tivemos a maior safra de todos os tempos. Recuperamos as perdas de 2016 e ainda crescemos um pouco em relação à média histórica”, disse Bottega.

Os dados do Ibravin, no entanto, são um pouco mais otimistas que o OIV. Segundo o instituto, o Brasil produz historicamente 370 milhões de litros de vinho por ano. Em 2016, a fabricação foi de 200 milhões de litros. Em 2017, saltou para 485 milhões de litros. Desconsideradas as divergências de valor, o fato é que o Brasil assumiu a 14ª posição no ranking de maiores produtores de vinho da OIV.

Apesar de essa conquista refletir sobretudo a produção gaúcha, os produtores do Vale do São Francisco garantem que também houve alta por aqui. “Não houve perdas na nossa produção, nem em 2016. Estamos produzindo normalmente”, disse o presidente da Associação dos Produtores e Exportadores de Hortifrutigranjeiros e Derivados do Vale do São Francisco (Valexport), José Gualberto, calculando que cerca de 10 milhões de litros da produção nacional venha do Sertão nordestino, graças à produção de 15 milhões de quilos de uvas.

“Produzimos muito mais do que em 2016. Só a Rio Sol ampliou a sua produtividade de 1,4 milhão de garrafas para 2,3 milhões de garrafas em 2017. E a expectativa é chegar a 2,8 milhões neste ano”, revelou o diretor-presidente da Rio Sol, André Arruda, dizendo que esse incremento se dá pela adaptação, cada vez maior, da indústria à região. “O clima seco também ajudou muito a produção no primeiro semestre. Por isso, registramos crescimento de 30%, chegando a dois milhões de garrafas”, acrescentou o gerente da Vinícola Terra Nova, Adauto Quirino.

As boas perspectivas fizeram até a Botticelli retomar os investimentos no Vale. A empresa ampliou a produção de uvas para mais 20 hectares no ano passado. Por isso, espera colher 150 toneladas extras da fruta nesta safra, o suficiente para produzir mais 200 mil litros de vinho e suco. “O mercado está retomando e nós estamos nos preparando para isso”, justificou o diretor comercial da Vinícola Vale do São Francisco, Ricardo Almeida, que espera ampliar a produção em 15%, chegando a 1,5 milhão de litros dos vinhos Botticelli e Grande Rio em 2018.

Fonte: Folha de Pernambuco

Sobre o portal gastromundo

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*